Um lugar incrível chamado Chapada Diamantina

16:02

Saímos de Itacaré pela manhã, cedinho, rumo a Chapada Diamantina. Nossa primeira parada foi na cidade de Lençóis. De Itacaré até Lençóis deu aproximadamente 500 km (fomos pela BA-001: Camamu/Valença). Praticamente beiramos o mar um pouco mais de 100 km. Entre a vegetação era possível ora ver o mar tímido ao longe, ora vê-lo bem de perto...
A medida que íamos nos afastando do litoral, a vegetação na beira da estrada ia se revelando cada vez mais seca, com muitos cactos pelo caminho. O asfalto estava bom e nos fez seguir uma boa reta afora, rumo ao nosso destino: a esperada Chapada Diamantina!
Lençóis é uma cidadezinha antiga bastante turística. Ela possui a maior infraestrutura da região, pois possui aeroporto e opções de hospedagem, alimentação e agências de turismo. É de lá que saem os principais passeios da região. Lençóis estava no caminho para Iraquara, que é onde íamos nos hospedar e, portanto seria impossível deixar de parar nessa cidadezinha que é uma das mais conhecidas da Chapada. Demos uma voltinha dentro da cidade, a pé mesmo, e depois fomos no Parque Municipal da Muritiba.
O Parque Municipal da Muritiba, que é mais conhecido como Serrano, fica a uns minutinhos do centro da cidade, e possui cachoeiras, poços e salões de areia colorida. O primeiro visual que se tem quando se entra no Parque são dos Caldeirões, que são umas piscinas naturais formadas pelos pontos de garimpagem onde foi descoberto o primeiro diamante da cidade.
Seguindo uma trilha, chegamos ao Salão de Areias Coloridas, formado por pedras porosas com diferentes tonalidades. Lindo demais!
Iríamos explorar mais o local, mas já estava escurecendo. Mas as trilhas levam ao Poço Halley, à Cachoeirinha e à cachoeira da Primavera. E no trecho final ainda tem um mirante com vista panorâmica da região que infelizmente não conhecemos. Mas estes últimos ficarão para a nossa próxima volta à Chapada - que com certeza terá uma próxima volta!

Saindo do Parque, passamos pelo centro de Lençóis novamente e já era possível ver as ruas se transformando após o pôr do sol. Lençóis fica bem badalado à noite, e suas ruazinhas se enfeitam das luzes e showzinhos ao vivo dos seus restaurantes e bares. Com certeza uma delícia! Mas precisávamos continuar a viagem para chegarmos ao nosso destino final: Iraquara.
Iraquara fica a cerca de 75 quilômetros de Lençóis e é conhecida como a Cidade das Grutas.
Ficamos hospedados na Pousada das Algarobas. A pousada é muito linda e bem estruturada. Porém deixou a desejar em alguns quesitos. Não sei se é porque ficamos em um dos quartos que tinha sido recentemente construído - o que era pra ser ótimo por ser novo - mas ainda faltavam algumas coisas, como lugares para pendurarmos nossas coisas e um chuveiro quente que não desse choque! Sim, choque! Well levou vários! Depois, conversando com um dos funcionários, ficamos sabendo que a água contém muito ferro por lá e pela encanação ser de metal, aí já viu né... Ah e sem contar que, por diversas vezes a energia caia. Esperamos do fundo dos nossos corações que isso possa ser melhorado, porque a estrutura do lugar é ótima e linda! E pelo que pesquisamos, parece ser a melhor pousada de Iraquara. Com certeza seria um lugar a se hospedar novamente, mas nos certificando primeiro se todos esses probleminhas foram sanados. Olha que linda a pousada. Algumas fotos tirei do face deles.

No outro dia acordamos relativamente cedinho e fomos para a famosa Fazenda Pratinha, que fica a aproximadamente 19 km de Iraquara. A fazenda é uma propriedade particular onde ficam a Gruta da Pratinha e a Gruta Azul. O que mais chama atenção na Pratinha é a cor da água das grutas e da lagoa. É simplesmente m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a! Por lá é possível fazer várias atividades como conhecer o interior da gruta acompanhada de guias (R$40), pular na tirolesa de 85m, a 12m de altura (R$20), alugar pedalinho ou caiaque (R$20) e nadar nas águas calmas e cristalinas da lagoa. O lugar é realmente incrível, mas achamos o preço bem caro pois além de pagarmos R$30 para entrar, as atividades lá dentro também estavam com os preços bem elevados :/ Fiquei imaginando um pai com 3 crianças querendo fazer isso tudo, coitado hahah

Fazenda da Pratinha | Lago e Gruta da Pratinha 


Fazenda da Pratinha | Gruta Azul

Saímos da Pratinha já na parte da tarde e fomos direto para o Morro do Pai Inácio. Esse morro incrível tem 1.120m de altitude. Lá de cima a vista é sensacional! Chegando lá é só você abrir os braços, fechar os olhos e respirar fundo: energia renovadíssima! Diante daquela imensidão é inexplicável o sentimento bom que a gente sente. Sério! A vista panorâmica da Chapada Diamantina te deixa maravilhado com tanta beleza. Por lá da pra avistar o Vale do Cercado, o morro dos Três Irmãos e vários outros cartões postais da região.
Paramos o carro no pé do morro e subimos a pé por uma trilha basicamente leve durante quase meia hora mais ou menos até chegar no topo. Nem é preciso guia, embora seja legal ir com um para ele contar a história da lenda do Pai Inácio. De quebra, não fomos com o guia, mas era impossível deixar de prestar atenção nos guias que já estavam por lá, contanto a história em alto e bom som :)
Diz a lenda que um escravo, chamado Inácio se apaixonou pela filha de um grande fazendeiro na cidade de Lençóis, e o fazendeiro não aceitando o romance dos dois, mandou seus capangas atrás do escravo para matá-lo. Inácio então se escondeu no alto desse morro. Depois de alguns dias, os capangas descobriram seu paradeiro e então o encurralaram. Como Inácio conhecia muito bem o morro, acabou forjando sua própria morte simulando uma queda do alto levando consigo a sombrinha dada por sua amada como prova de seu amor, que abriu com o salto. O que os capangas não sabiam era que da pedra que ele pulou, havia uma outra borda de pedra mais abaixo que amorteceu a sua queda e com isso, assim como havia planejado, Inácio conseguiu se esconder e ao mesmo tempo ser dado como morto ao fazendeiro. Depois de algum tempo Inácio volta a se encontrar com a sua amada sempre às escondidas em uma gruta perto do morro. A sinhazinha engravida de Inácio e o seu pai, que já se encontra muito doente acaba morrendo. Foi então que os sonhos de ficarem juntos puderam se realizar, pois conseguiram assumir o relacionamento amoroso e ter em paz o filho deles, vivendo felizes para sempre. Dai surgiu o nome desse lindo morro, em homenagem ao escravo que se tornou pai do filho da sinhazinha. Por isso Morro do Pai Inácio.
Descemos o morro porque tinha começado a escurecer, mas ôh arrependimento. Quando chegamos lá embaixo e pegamos o carro, pudemos ver que se tivéssemos esperado só mais um pouquinho, teríamos presenciado um pôr do sol incrível! :'( Mas de qualquer maneira, na estrada também valeu a pena a vista. Mas se estivéssemos no morro...
O Morro do Pai Inácio fica a 26 km de Lençóis e a 50km de Iraquara. O limite de horário para chegar lá é até as 17h. Depois desse horário o pessoal da administração fecha a trilha e ninguém mais sobe. Ah! E a entrada foi R$6. Pra quem deseja ir a Chapada algum dia, não pode deixar de maneira alguma de subir nesse morro! Com certeza foi um dos lugares mais lindos que visitamos na Chapada Diamantina!

No outro dia fomos visitar a Gruta Lapa Doce. Ela fica a 12km de Iraquara e a 67km de Lençóis. A Gruta é considerada a terceira maior do país. Ela é linda, gigantesca! Você se sente uma formiguinha lá dentro, no meio dos salões amplos, onde você pode avistar uma infinidade de estalactites, estalagmites, cortinas e outras belíssimas formações. O passeio custa 30 reais e dura cerca 1h30 somente com guia e um dos pontos mais impressionantes, pelo menos foi pra mim, foi quando a nossa guia, já no final do passeio, pediu para sentarmos aonde quiséssemos e apagássemos nossas lanternas, ficando em silêncio por alguns minutos, apenas ouvindo o silêncio daquela imensidão. Foi tão, mas tão incrível! Eu não consigo nem explicar direito o que senti, mas posso resumir em uma palavra: PAZ. Sem contar que era o último dia do ano ainda, então já pode imaginar o quando significou pra mim fechar o ano com aquele sentimento: GRATIDÃO!
Depois da Lapa Doce fomos para o Rio Mucugezinho e o famoso Poço do Diabo (um lugar de nome  bem estranho pra se terminar o ano também, não e mesmo? hahah). O Mucugezinho e o Poço são duas cachoeiras de acesso fácil e gratuito que vale super a pena conhecer!
O Rio Mucugezinho tem um poço enorme e locais com sombra, água rasa, ótimo para famílias com crianças, apesar da água bem escura. E tem até uma área com espaço pra churrasco.
Seguindo o Mucugezinho por uns 15 minutos mais ou menos, chegamos ao poço i-n-c-r-í-v-e-l do Poço do Diabo. Diz a lenda que seu nome se deve a uma história antiga que aconteceu no local. Havia muito garimpo na região e, um dia, alguns escravos negros, tentaram fugir com algumas peças de diamante encontradas, porém, ao serem descobertos, foram afogados no poço. Dizem até que aparecem alguns fantasmas lá de vez em quando. De dia é lindo, mas quem teria coragem de aparecer por lá a noite heim? hahah. A profundidade do Poço chega a 6 metros e por lá não tem salva-vidas. Portanto, cuidado redobrado! O Rio e o Poço ficam a 16 km de Lençóis e 57km de Iraquara. 
Fechamos nosso ano no Reveillon da cidade de Lençóis. A cidade comemorou a virada nas ruazinhas entremeio aos restaurantes, com showzinho ao vivo de seilaquem que estava tocando. E olha, foi bom não! Foi bem fraco, inclusive nunca voltamos tão cedo de um reveillon pra "casa", como esse. O que quase salvou a diversão foi quando resolvemos ir embora e estava rolando "paredão de funk" do outro lado da rua, com uma galera dançando, requebrando até o chão. hahah.
Bom e aqui termino nossos posts de tour pela Bahia. O Reveillon não fechou com chave de ouro não, mas o que eu senti lá naquela gruta quando apagamos as luzes, superou qualquer coisa nessa viagem!
Demorei um cadinho pra concluir todos os posts dessa nossa viagem pela Bahia, mas aqui estão. A minha intenção por aqui é passar um pouquinho da nossa experiência em lugares incríveis que visitamos por aí e arquivar nossas histórias pra quando der saudade, eu e Well passarmos horas aqui lendo nossos momentos, e relembrando tudo numa nostalgia gostosa. <3
Ah! E essa foi a nossa segunda viagem longa no nosso guerreiro Palio 1.0! Nos levou e nos trouxe de volta pra casa lindamente, nos proporcionando mais uma aventura incrível por essas estradas <3 Foram pouco mais de 4 mil km rodados em 11 dias.
 Agradecemos imensamente e primeiramente a Deus por tudo isso, ao nosso carrinho que nos levou e nos trouxe sem nenhuma dor de cabeça e aos nossos amigos, Everton e Janine, que nos acompanharam nessa viagem deliciosa! E claro, a você amigo, que conseguiu chegar até aqui lendo um pouquinho das nossas andanças por aí ;)

Até a próxima aventura o/*

Você também pode gostar:

0 Comente aqui :)

@iingridnunes

@wellingtonallmeida