Indo pra Bahia de moto

15:21

Hoje o post vai ser um pouco diferente, porque será escrito pelo Well! :) Como mencionei aqui, ele foi nessa viagem sem mim. Queria muito ter ido mas a folga do trabalho não rolou. :( Well chegou muito feliz dessa viagem, e meeega cansado também. Então chegamos a conclusão de que realmente foi melhor não ter dado pra eu ir mesmo, visto que sofreríamos um cadinho juntos. Como foi a primeira longa viagem de moto dele, foi bom ele ter ido sozinho, ter essa experiência. Na verdade sozinho, sozinho ele não foi. Mais dois amigos o acompanharam. E por lá encontraram mais dois ainda. Deu uma mega vontade de ter feito parte dessa experiência. Afinal os lugares são liiindos! Deu uma pontinha de inveja branca, maaas já superei. rs Ele não é muito de escrever, mas com jeitinho pedi para que ele fizesse o post da viagem. Afinal, ninguém melhor do que ele mesmo para contar como foi tudo. :) Pelo visto ele empolgou até demais fazendo o post e deu um belo de um texto gigantesco detalhando toda a viagem. haha.
Se você gosta de ler sobre viagens, sinta-se a vontade! Well contou detalhes de toda essa experiência, acompanhada das imagens dos lugares por onde ele passou!! No mais, no final do post tem um vídeo super bacana que ele editou, resumindo toooda essa aventura incrível! :D

Então, segue abaixo toda essa aventura! \o/
"Eae galera, aqui é o Well! Não sou muito de escrever, mas pelo menos esse post tinha que ser de minha autoria (se não fosse também meu amor ia me matar kk). 
Então, resolvi me aventurar pela primeira vez em uma longa viagem de moto. Esse sonho já era antigo, e eu vivia conversando com a Ingrid sobre isso, mas com toda essa correria do trabalho sempre fui obrigado a adiar meu sonho. 
Bom, tudo começou no mês de Setembro de 2015 quando decidimos fazer uma pequena viagem de aproximadamente 150 km para Cristalina, no Goiás, para visitar meu amigo e xará Wellington Feitosa (mais conhecido por Guma). Chegando em Cristalina, Guma fez questão de nos mostrar um dos pontos turísticos de lá, chamado Balneário Praia das Lajes. Resolvemos então, passar o dia naquele lugar, curtindo as cachoeiras maravilhosas e se deliciando com um belo churrasco.
Papo vai e papo vem, toquei no assunto que estaria de férias no mês de janeiro e que não queria ficar em casa de jeito nenhum. Mesmo com a grana curta eu queria dar um jeito e viajar para algum lugar. Então surgiu a ideia de irmos para a Bahia e curtir umas praias, e logicamente DE MOTO!
Sempre foi um sonho fazer uma viagem distante de moto, e com isso vi a oportunidade aparecer. Nada melhor do que juntar seu amor e uns amigos na estrada!

Balneário Praia das Lajes | Cristalina - GO
Na mesma hora o Guma com aquele jeito animado e eufórico dele disse: - É só falar a hora e a data que eu topo na hora! Mas só tenho uma exigência: aceito a proposta de viagem se passarmos pelo menos uns 3 dias na Chapada Diamantina!" Nisso o Thelmo (mais um amigo nosso) ouviu a conversa e já se prontificou a ir também! Desse dia pra cá fizemos um grupo no whatsapp só para definirmos coisas relacionadas à viagem. O grupo começou com vários interessados, mas devido a muitos contratempos de vários amigos acabou sobrando na reta final para a viagem apenas eu, Guma, Thelmo e o doido do Franco que não foi junto com a gente, mas acabou indo sozinho 2 dias depois e nos encontrou por lá.
Depois de 2 meses e meio e muitas conversas, decidimos que sairíamos as 6 horas da manhã do dia 2 de Janeiro, sábado, rumo à Chapada Diamantina, na Bahia. E assim já programamos a volta que seria, a princípio no dia 12 de Janeiro, na terça-feira.
Infelizmente nesse meio tempo soube que meu amor não poderia ir com a gente pois ela não havia conseguido uma folga prolongada no trabalho. 
Guma então, veio de Cristalina na sexta-feira, dia 1º e dormiu aqui na nossa casa para então sairmos bem cedinho. Nisso fizemos uma revisão na nossa rota e ajustamos os últimos detalhes. Marcamos de nos encontrar com o Thelmo as 6 horas no Posto Colorado, em Sobradinho, para tomar um café da manhã reforçado e assim partirmos para a nossa aventura dos 3 mil km de moto!


Saímos as 7hs de Brasília e a nossa primeira parada foi por volta das 9hs da manhã, no Posto Rosário, em Correntina, já na Bahia, para abastecer. 
O começo da viagem tudo é lindo, pista em ótimo estado até a Chapada Diamantina.


Saímos do Posto Rosário e seguimos viagem. Uns 100 km pra frente paramos em um posto de gasolina só pra dar uma esticada e tomar um cafezinho. Por lá encontramos um motociclista viajante que estava na borracharia do posto regulando a corrente da sua Yamaha MT03. Ele estava com destino rumo a Salvador, que por coincidência era o mesmo caminho que iríamos fazer. Acabamos conversando bastante e por fim decidimos seguir viagem todos juntos.
Com apenas uns 10 km após termos saído de lá, a corrente que o nosso novo amigo acabou de regular na borracharia se rompeu, mandando estilhaços da corrente por todo o asfalto.
Naquela aflição de estar no meio do nada, sem comércio por perto ou nada parecido, o Thelmo, com seus preciosos conhecimentos de mecânica, conseguiu emendar a corrente usando vários arames que tínhamos nas nossas bagagens. Com isso conseguimos seguir viagem, bem devagar, até chegar à próxima cidade para resolvermos o nosso problema. 


Como já estávamos muito atrasados no nosso cronograma de viagem, nos certificamos que o nosso novo amigo ficaria bem e o deixamos na cidade arrumando sua moto e então tocamos nosso roteiro.
Pegamos uma reta infinita, interminável em Luís Eduardo Guimarães, de mais ou menos uns 200 km sem nenhuma curva. Um trecho bem cansativo até chegarmos em Barreiras-BA.
Chegamos em Barreiras por volta das 18hs, ainda com o céu claro. Então decidimos tentar adiantar nossa viagem. Detalhe: pior coisa que fizemos! Já conto o por quê.
Ao chegarmos em Barreiras, paramos pra lanchar e eu bebi uma coca-cola e comi um salgado de presunto e queijo que não bateu nada bem no meu estômago. Saindo de Barreiras, rodamos uns 40 km já na escuridão. Eu comecei a ficar com febre, náuseas e uma dor de cabeça insuportável. A luz dos faróis nos meus olhos só piorava cada vez mais a situação.
Sabe aquela Lei de Murphy que "se algo pode dar errado, dará"
? Pois é. Ele tinha razão desde os primórdios. Meu pneu traseiro furou! Estávamos somente com uma bombinha de bicicleta na bagagem. rs Então paramos diversas vezes para encher o pneu.
Falei para os meus companheiros que eu não estava aguentando mais e que queria dormir na primeira pousada que encontrasse.
Flagra de um sorriso falso de quem tá passando muito mal.
Paramos em um povoado para pedir informações sobre hotel e pousadas e, infelizmente nada à vista. Então aproveitamos a parada para remendar o meu pneu. Conversando com o borracheiro, ele disse que a uns 30 km à frente teriam umas pousadas baratas. Então subimos nas motocas e decidimos aguentar só mais um pouquinho e chegar na nossa tão sonhada cama daquele momento. Todos já estavam esgotados e não víamos a hora de poder tomar um banho quentinho e descansar.
Então, finalmente lá estava Cristópolis-BA, cidadezinha que acolheu 3 viajantes exaustos. Tomei uma bela ducha, um bom remédio para curar a minha dor de cabeça e enfim desmaiar de sono para poder repor as energias e assim conseguir seguir viajem tranquilamente no dia seguinte.
Acordamos zerados! Tomamos um café reforçado e às 9hs da manhã, sem pressa alguma, seguimos rumo à nossa querida Chapada Diamantina-BA.


Próxima parada foi em Ibotirama-BA, onde encontramos uma galera fazendo motocross. Não deu outra: paramos pra jogar conversa fora com o pessoal! De quebra ainda tiramos essa foto fera com o grande Rio São Francisco ao fundo!
Galera do motocross que conhecemos quando chegamos em Ibotirama, na Bahia. 
Agora chega de paradas! Tocamos direto para Escôncio de Iraquara-BA. Um povoado que fica a 12 km do centro da cidade de Iraquara, cidade das grutas que também faz parte da Chapada Diamantina. Por lá encontramos nosso amigo Japão, que veio de São Paulo um dia antes da nossa chegada, para poder ajeitar as coisas na casa dos seus falecidos pais para nos recepcionar.



Essa foi a humilde casa que fomos acolhidos pelo nosso amigo Japão, durantes os 5 dias em que estivemos na maravilhosa Chapada Diamantina. Mal sabíamos que estávamos basicamente bem perto de todos os pontos turísticos de lá.
Conhecemos vários lugares maravilhosos, dentre eles visitamos a Fazenda da Pratinha, que com aquela água cristalina encanta qualquer um que passa por lá; fizemos também uma expedição à Gruta da Torrinha, lugar lindo escondido nas profundezas do solo. E claro, não posso me esquecer do Morro do Pai Ínácio, um lugar com vista panorâmica maravilhosa.


Fazenda da Pratinha | Chapada Diamantina - BA
Gruta da Torrinha | Chapada Diamantina - BA
Morro do Pai Inácio | Chapada Diamantina - BA
Só temos a agradecer a hospitalidade e o coração aberto do nosso amigo Japão por ter cedido sua casa em Iraquara. Graças a ele economizamos muito com as diárias que deixamos de pagar nessa temporada. E olha que por lá as hospedagens e visitações aos pontos turísticos são bem caras! 
Ficar na Chapada Diamantina estava ótimo, mas ainda tínhamos muito caminho pela frente! O nosso próximo ponto de parada estava a 400 km, em Salvador.


Até breve Chapada Diamantina!
Então pegamos a estrada novamente. E é claro que com tanta beleza no lugar, impossível ignorar e não parar pra aproveitar um pouco mais!


Não sei como tive coragem, mas pulei nessa água preta! | Rio Mucugezinho - Lençóis - BA
Já estávamos ficando tristes e preparando nosso dinheirinho para a facada nas pousadas do litoral baiano, quando resolvemos parar em um posto de gasolina para descansar e roubar um pouquinho de Wi-Fi para atualizar os nossos familiares sobre a viagem... então vi que havia uma mensagem do Japão no Whatsapp que nos deixou imensamente felizes: “Tenho uma notícia boa pra vocês meus amigos! Liguei pro Júnior, um amigo meu que mora em Salvador, e ele disse que se vocês não tiverem frescura e toparem se hospedar na casa dele, estará de portas abertas pra receber vocês“!
Ô notícia boa! Tudo voltou a ficar lindo e feliz! haha
Fomos acolhidos pelo Júnior como se fôssemos da família! Ficamos imensamente agradecidos a ele e sua esposa pela hospitalidade! Dormimos 2 dias em sua casa, em Camaçari, que fica a uns 40 km do centro de Salvador. E nesses dois dias o nosso mais novo amigo Júnior fez questão de nos levar nos pontos turísticos da cidade.



Nossas férias já estavam acabando e não podíamos enrolar mais por conta dos nossos compromissos, então a volta seria a todo vapor.
Logo pelo manhã fomos para o porto de Salvador e tivemos uma experiencia incrível de andar de Ferryboat, que é uma balsa que leva automóveis e pessoas pra outra cidade. Nosso percurso de Ferryboat seria de Salvador até Valença-BA.
Infelizmente quebramos a cara, pois o Ferryboat atracou em Bom despacho, cidade que fica a uns 100 km de Valença onde seria o nosso destino daquele dia. Assim lá vamos nós rodar mais 100 km pela estrada. Isso que dá viajar só homem! Como uma mulher faz falta na hora de organizar essa logística. hehe



Chegamos em Valença-BA.
Então ficamos na dúvida se almoçávamos ali mesmo ou seguiríamos para a Praia de Guaibim, que estava bem pertinho dali. 
Decidimos seguir, assim almoçaríamos tranquilos e iríamos aproveitar o mar com tudo que temos direito!



A passagem por Guaibim-BA foi bem rápida. Almoçamos, tomamos um banho de mar e seguimos viagem com a próxima parada em Ilhéus-Ba, onde passaríamos a noite e sairíamos pela manhã com destino a Brasília. Chegando em Camamu-BA, a uns 40 km de Itacaré-BA, em Ilhéus, mudamos de ideia. Dali mesmo decidimos seguir direto pra Brasília.
Já com o pé de volta na estrada, rodamos uns 180 km até chegar em uma cidade chamada Ipiaú-BA, em torno de umas 22hs. Procuramos pelo "melhor hotel", e pagamos R$ 18 por pessoa! heheh
Saímos cedo, as 5 horas da manhã. Rodamos o dia todo, mais de 678 km até chegarmos em Correntina-BA. Mais uma vez procuramos o hotel mais top da cidade: R$ 30 reais por pessoa! hahah
De Correntina-BA até Brasília-DF não teve mais graça... praticamente mais 526 km só de reta! Todo mundo rezando pra chegar logo! Ninguém aguentava mais de tanto cansaço, então  sempre que parávamos era uma dormidinha...
Por fim chegamos em nossas casas são e salvos, com basicamente mais de 3.000 km rodados de moto, em 10 dias de viagem. Trouxemos na bagagem muita história boa pra contar e experiências incríveis que vamos levar pra vida toda!
Termino esse "pequeno" texto agradecendo a companhia dos meus amigos motociclistas, guerreiros, Wellington Feitosa (Guma), Thelmo e Franco! Galera show de bola! E quero agradecer imensamente aos nossos novos amigos Japão e Júnior que nos hospederam com todo carinho em suas residências! E claro, não posso deixar de agradecer a minha querida esposa, Ingrid, que mesmo não podendo ir, em nenhum momento me desmotivou a realizar esse meu sonho de fazer uma longa viagem de moto. E, claro, acima de tudo, agradecer imensamente a Deus por me proporcionar momentos tão maravilhosos na minha vida me oferecendo oportunidades que preenchem todos os meus desejos!
Nossa rota \o/
Valeu galera!
Pronto pessoal, acho que empolguei contando muitos detalhes, mas tenho certeza de que quando eu ler esse post daqui a alguns anos, conseguirei reviver bastante coisa da qual vivi com essa experiência incrível!
E você? Tem alguma experiência incrível de viagem? Conta pra gente! A gente se amarra em histórias de viagens!

Então, prontinho amor, devolvo aqui o blog pra você. Eu te amo muito e obrigada por tudo! :)

Ah pessoal! E pra resumir tudo isso, fiz questão de editar um vídeo pra deixar bem registrado toda a nossa aventura. Espero que curtam!"


Você também pode gostar:

0 Comente aqui :)

@iingridnunes

@wellingtonallmeida