Viagem de Moto | Feriadão na Chapada dos Veadeiros - GO

09:07



Feriado prolongado de Semana Santa havia chegado e é claro que não poderíamos deixar passar em branco, sem aproveitar nada por aí nesse mundo lindo de Deus, não é mesmo?
Meio que não sabíamos para onde ir direito, mas fomos listando uns lugares, por aqui perto de Brasília mesmo,  e então decidimos ir para a Chapada dos Veadeiros.

Traçando a rota do feriadão :)
Visto que da última vez que fomos, já chegamos em um sábado ao entardecer e no domingo pela manhã só conseguimos aproveitar uma única cachoeira (a São Bento, em Alto Paraíso de Goiás), não aproveitamos quase nada da Chapada. Saímos de lá aquele dia com muito gostinho de "quero mais"!

Enfim, nesse feriadão vimos o dia do gostinho de "quero mais" chegar e, é claro que para transformar esta pequena viagem mais prazerosa ainda, fomos de moto!


A maior dificuldade de viajar de moto é justamente reduzir ao máximo tudo o que for levar e torcer para que tenha levado todo o necessário. E confesso que isso é um grande problema pra mim, pois se viajamos de carro ali para Caldas Novas uns diazinhos, por exemplo, eu já encho o porta-malas fácil.

Como a ideia era gastar pouco, nem cogitamos muito a possibilidade de ficarmos em alguma pousada. Principalmente em feriado, que os preços sobem bastante. Então a ideia mesmo era acampar.

Por lá tem um mooonte de campings. Tem de todo tipo. Desde os mais simples, que é o que mais encontramos, aos mais alternativos, todo decorado. Muitos moradores transformam seu quintal/gramado em camping para os aventureiros que chegam nas cidadezinhas de lá.

A Chapada fica a um pouco mais de 200 km de Brasília. Viajar é sempre maravilhoso! Nem que você vá a apenas 100 km longe da sua casa, mas só de respirar outro ar, ter contato com outros tipos de pessoas, já é super válido! 
A BR-010 é a estrada que nos leva à Chapada dos Veadeiros. Um tapete! ♥


Estávamos com muito receio de pegarmos chuva. E andar de moto embaixo de chuva não é nada agradável. Sem contar naquele balão de roupa de plástico preto que temos que vestir para nos protegermos. Mas graças a Deus o mais próximo que a vimos até chegarmos na cidade de Alto Paraíso, foi a esta distância:


Chegamos por lá na hora do almoço, pois havíamos saído de casa tarde e sem pressa pela manhã. A ideia inicial era almoçar em Alto Paraíso e ir direto para Cavalcante. Mas ali mesmo mudamos o roteiro e decidimos aproveitar um pouco mais e ir para São Jorge primeiro.
A estrada, indo para São Jorge, é absolutamente maravilhosa! Além dela ser novinha em folha, ainda tem ciclofaixa e a paisagem é de tirar o fôlego!


No caminho, começou a chuviscar e então decidimos parar na beira da estrada para colocar a capa de chuva, caso ela persistisse em aumentar mais a frente.
Quando o Well desceu da moto e foi lá atrás para abrir o baú e pegar nossas lindas capas, uma surpresa: a nossa barraca tinha se desprendido um pouco da amarração que o Well fez e com isso ela desceu pra frente do escapamento. Resultado: um canudo azul com um belo buraco derretido e chamuscado.


Por um leve momento pensamos pqpquemerda! Mas depois começamos a rir da situação. Não tinha o que fazer. As nossas soluções seriam ou achar um lugar para comprar outra barraca, ou gastar tudo o que havíamos separado para o feriado em uma estadia em qualquer pousada. Mas nem que dormíssemos ao relento, pra casa não voltaríamos. haha.

A Vila de São Jorge, assim como é conhecida, é um distrito bem simplesinho, sem rua asfaltada, mas com um arzinho acolhedor. Suas poucas ruas são divididas entre casas, comércios, barzinhos e lojinhas.

Entrada da Vila de São Jorge | Chapada dos Veadeiros.
Já chegamos por lá indo direto ao CAT, que é o Centro de Atendimento ao Turista da cidade (todas as cidadezinhas da Chapada tem um). Por lá pegamos informações primeiramente, claro, se iríamos conseguir algum lugar para comprar outra barraca e sobre os atrativos da cidade.
Graças ao bom Deus, havia um armazém ainda aberto. \o/ Tudo bem que pagamos 3x a mais no valor da mesma barraca que já tínhamos e que agora se encontrava inútil, maaas gratidão por encontrarmos um lugar ainda aberto, nos oferecendo a sua penúltima barraca. Preço que se paga por não amarrar as coisas direito, né Wellington?!! hahaha

Prontinho, barraca comprada e agora era hora de achar um camping. Saímos andando a pé mesmo e entramos em uns cinco campings. Como já era tarde, a cidade já estava bem cheia, e era quase impossível conseguir um lugar bacana, com menos barracas e um espaço legal para colocá-la. Por fim, achamos o Camping Alegre, da Dona Isabel. O último que visitamos. O seu quintal estava bem gramadinho, banheiros limpinhos e conseguimos encontrar um lugarzinho ótimo para armar nossa casinha de plástico. A hospedagem estava R$ 25 por pessoa.


Já estava para escurecer quando terminamos de ajeitar nossas coisas no camping e é claro que não iríamos ficar sem fazer nada esperando o sono chegar.
Como já havíamos nos informado no CAT quando chegamos, sabíamos que não daria para visitar nenhuma cachoeira naquele horário mais. Mas o guia nos deu uma opção ótima para visitarmos à noite: as Água Termais, que são umas piscinas naturais de águas quentinhas que ficam a apenas 14 km de São Jorge, em estrada de terra.


No meio da estrada havia um lugarzinho com umas pedras e ao fundo um cenário de toda aquela mata simplesmente sensacional. É lógico que não iríamos continuar a estrada sem antes dar uma paradinha por lá né?! Ainda bem que ainda estava claro :)


Há duas propriedades com essas águas termais: o Éden e o Morro Vermelho. As entradas ficam bem próximas, porém a do Éden vem primeiro, do lado esquerdo e a do Morro Vermelho depois, do lado direito. Fomos para o Morro Vermelho, que foi a melhor indicação do guia lá no CAT. Chegamos por lá já estava bem escuro. Não deu pra ver muito o espaço direito, mas tenho certeza de que deve ser muito lindo de dia! A entrada custa R$20 por pessoa.


As Águas Termais ficam abertas até as 22h. Por lá também tem um restaurante. Eles costumam pedir para você fazer o pedido antes de descer para as piscinas. Saímos de lá umas 21hs e subimos para o restaurante. Não sei se era a fome, mas a comida estava indescritivelmente maravilhooosa! 

No outro dia arrumamos nossas coisas e saímos bem cedinho do camping da Dona Isabel. Estava um pouco nublado na estrada, e o sol apontava um pouco tímido de longe, mas sabíamos que o dia seria bem aproveitado ! =D 

Estrada São Jorge para Alto Paraíso | Chapada dos Veadeiros - GO
Estrada Alto Paraíso para Cavalcante | Chapada dos Veadeiros - GO
Estávamos loucos para conhecer a cachoeira Santa Bárbara, na cidade de Cavalcante. Nos disseram que era bom sairmos bem cedo mesmo pois a cachoeira costuma ficar lotada e tem hora marcada para encerrar a visitação.
Essa cachoeira é considerada uma das mais lindas da Chapada. Pelas fotos que vi na internet, sua água azul cristalina, é capaz de deixar qualquer um de boca aberta! 
Para chegar lá, paramos primeiramente no CAT de Cavalcante e por lá mesmo já havia um guia disponível para nos acompanhar. Assim que chegamos no CAT, já haviam 4 pessoas pedindo informações para irem para as cachoeiras. Então com a nossa chegada, já conseguimos formar um grupo de 6 pessoas, que era o que o guia precisava :)
O guia costuma acompanhar grupos de 6 a 8 pessoas e no nosso caso foi cobrado R$ 80 para o grupo.
Pé na estrada novamente e lá vamos nós, seguindo nossos novos amigos de trilha!

Estrada para chegar na Comunidade Kalunga.
A cachoeira fica dentro da Comunidade Kalunga, há uns 28 km de Cavalcante por estrada de terra. Há também várias outras cachoeiras próximas. Mas todas tem que ser acompanhadas por um guia, que nosso caso foi o Cândido, mais conhecido como Cadinho. Gente finíssima!


Da entrada da Comunidade até a cachoeira são mais 6 km. É possível seguir de carro mais 1 km, estacionar e seguir a pé. Pra quem não quiser andar os 5 km, tem duas opções: se tiver de 4x4, pode continuar a trilha até bem próximo da cachoeira (cerca de 1 km). Caso não tenha, a comunidade oferece um serviço de transporte na carroceria de caminhonetes (no melhor estilo pau de arara) que custa R$ 5 por pessoa. E assim lá fomos nós \o/


A cachoeira é absolutamente linda mesmo! Pena mesmo foi vê-la inteiramente  l-o-t-a-d-a  de gente. A água não estava devidamente cristalina, devido à quantidade de pessoas. Mas sua beleza é incrível!


Hora de pegar a trilha de volta e seguir pra próxima cachoeira! 

Voltamos pro ponto de partida e decidimos ir para a Cachoeira da Capivara | Tiririca. A trilha pra lá não é tão plana e tranquila quanto a de Santa Bárbara e dá pra suar um pouquinho, exigindo um pouco mais de esforço, devido às subidas e descidas com muitas pedras pelo caminho. Chegamos pelo alto da cachoeira avistando um belíssimo Canion. 


Fomos descendo, beirando o paredão de pedras. A cada passo íamos descobrindo mais e mais quedas dessa cachoeira linda. Ahh! Que vista deslumbrante!

A vista lá de cima é incrível!
De baixo então... nem se fala!
Do ladinho da Cachoeira da Capivara tem a do Tiririca. Os nomes são devidos ao Rio Capivara e o Tiririca que se encontram em único poço e que depois, despenca em um cânion.


Ficamos praticamente o restinho da manhã e a tarde inteira nessas duas cachoeiras. Há muitas cachoeiras dentro da Comunidade Kalunga. Para visitar várias em um único dia é preciso sair bem cedinho e cronometrar o tempo para visitar cada uma delas. O que não foi o nosso caso. Queríamos mesmo era aproveitar ao máximo. Mas claro, deixar as outras para as próximas vezes que voltarmos. Que com certeza serão várias voltas esse ano ainda :D

A amizade com os nossos novos colegas de trilha havia se intensificado mais com a medida do tempo em que fomos conversando e passando o dia juntos. Como ainda não sabíamos onde dormir em Cavalcante, recebemos um ótimo convite do Murilo e da Rafaela para nos hospedarmos no mesmo camping que eles estavam. Com isso, o Hannieri e a Juliana resolveram se juntar a nós também e acabamos ficando todos no mesmo lugar.
Já estava escuro quando armamos a barraca, mas já dava pra perceber que o espaço era bem agradável e acolhedor. 
À noite saímos para tomar um açaí e comer um crepe todos juntos. Foi uma delícia compartilharmos um pouco das nossas vidas com nossos novos amigos =D

No outro dia acordamos cedinho, tomamos café da manhã na padaria e seguimos todos destino à cidade de Alto Paraíso, para por lá decidirmos o que fazer nas nossas últimas horas de Chapada.


Decidimos ir para o Vale da Lua. Até cogitamos a possibilidade de visitarmos as Cataratas dos Couros, mas iria ficar muito corrido, visto que a Rafa e o Murilo ainda enfrentariam 6hs de viagem até Goiânia.

O Vale da Lua é um dos pontos mais visitados na Chapada dos Veadeiros, no município de Alto Paraíso de Goiás. Seria quase impossível deixarmos de passar por lá! O lugar é um conjunto de formações rochosas cavadas nas pedras pelas corredeiras de águas transparentes do rio São Miguel. Realmente lembra muito algo como crateras lunares. O vale fica a caminho na estrada de São Jorge. Pra quem vem de Alto Paraíso, fica logo a esquerda, após uma curva. É bom prestar bastante atenção pois só tem placa indicando o lugar exatamente na entrada de lá. Os minutinhos que eu e Well ficamos parados por lá esperando a Ju e o Hannieri chegar, presenciamos várias buzinadas e quase acidentes na entrada do local, pois muita gente assusta com o aviso da entrada no meio da estrada e já quer logo virar o carro, esquecendo quem vem atrás.

Da entrada até o ponto de partida de caminhada para chegar ao Vale é de 4km. E a entrada, R$ 20 por pessoa. Depois é só caminhar mais alguns minutos e chegar em um dos lugares mais lindos e impressionantes que você já viu na vida.


E com o Vale da Lua nos despedimos da Chapada dos Veadeiros, levando com a gente, mais um vez um gostinho de "quero mais" novamente! 
Realmente a Chapada tem uma energia muito boa, que nem dá vontade de sair de lá. Com certeza um lugar para descansar e aproveitar a natureza ao máximo! 
Em breve voltaremos para explorar novos lugares! :D

Agradecemos imensamente o carinho e companheirismo dos nossos novos amigos que conhecemos por lá: Ju, Hannieri, Murilo e Rafa! Foi muito bom passar o feriado com vocês! Com certeza a vida nos trará muitas outras oportunidades! Seja em Brasília, Goiânia ou João Pessoa, o nosso reencontro será certeiro! ;)


Agora é só conferir nosso videozinho dessa viagem sensacional \o/



Você também pode gostar:

4 Comente aqui :)

  1. Muito fera galera, muito bom ter experiências assim compartilhadas! Continuem registrando tudo

    ResponderExcluir
  2. Não sei bem o motivo mas não imaginava que a chapada tinha tanta cachoeira, sério! Eu não gosto de acampar e nem de andar de moto mas fiquei curiosa em conhecer esse lugar principalmente as águas termais que tenho bastante vontade de conhecer.

    beijos

    http://www.bsacasamentos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bel, a Chapada é mesmo incrível!
      E tem muita cachoeira mesmo. Acredito que um mês inteiro seria pouco pra poder desfrutar direitinho de cada cantinho desse lugar maravilhoso! haha
      Já que você não gosta de acampar, por lá tem muitas pousadas bacanas também, e fora de época nem é tão caro. Vale super a pena! ;)

      Excluir

@iingridnunes

@wellingtonallmeida